segunda-feira, 28 de janeiro de 2019

Sensores capacitivos - O que é e como funciona?


Os sensores de proximidade capacitivos possuem aplicação similar aos sensores indutivos. Porém, os sensores indutivos utilizam campos eletromagnéticos para detectar a presença de objetos.
Já os sensores de capacitivos detectam a proximidade do objeto pela variação do dielétrico em sua região sensora. Quando um objeto se aproxima ocorre a alteração do dielétrico e consequentemente da capacitância utilizada em um circuito oscilador.
A imagem a seguir ilustra a variação da frequência no circuito oscilador de acordo com a aproximação do alvo:

Estes sensores são amplamente utilizados em diversas áreas da indústria, relacionada principalmente com a detecção de materiais não metálicos, tais como: vidro, madeira, plástico, cimento, argila, grãos, líquidos, etc.
Amplamente utilizados para detectar a presença de alimentos dentro de suas embalagens, e nível de líquidos e sólidos, pode ser considerado um excelente recurso para sistemas de controle de nível máximo e mínimo, obtidos através da instalação de um ou dois sensores, mesmo que esteja totalmente imerso no produto.

Em resumo, uma solução versátil e prática para variados tipos de aplicação, os sensores capacitivos são uma ótima opção para solucionar problemas gerais de automatização.
Abaixo exemplos de sensores capacitivos, que podem ser fornecidos em invólucros tubulares ou não cilíndricos:


Lucas Mota / Ricardo Rossit

quinta-feira, 17 de janeiro de 2019

Circuito eletrônico otimizando o funcionamento de um equipamento eletromecânico


Neste artigo vamos abordar um princípio de aplicação bem interessante, que é da eletrônica atuando e otimizando um equipamento mecânico, em nosso exemplo eletromecânico, e com isto poderemos perceber os ganhos que conseguimos ter nesta configuração, seja de desempenho, durabilidade e até controle de estoques nas indústrias devido a flexibilidade de opções em um único produto.
Para atuar uma válvula on-off em campo, o elemento responsável pelo comando de atuação é uma válvula solenoide, que tem como princípio uma bobina que quando energizada desloca um embolo (elemento ferromagnético móvel) que permite a passagem ou não do ar comprimido que por sua vez irá através de um atuador mecânico mudar a posição da válvula, na figura abaixo mostramos o princípio de funcionamento da bobina:
 Figura 1: Principio de funcionamento de uma bobina solenoide
Neste modelo de aplicação, as bobinas são dimensionadas para que a força do campo magnético seja suficiente para mover o embolo, com isto se restringe a variação de tensão a ser utilizada para 5 a 10% dependendo do modelo/fabricante, sendo que tensões abaixo desta tolerância não terão força suficiente para mover o embolo, e tensões acima desta tolerância irão diminuir muito a vida útil da bobina devido a alta temperatura de trabalho que as mesmas estarão sujeitas. Ao aplicarmos estas características nos equipamentos de campo, que possuem uma grande variação de distâncias, não é tão simples manter as condições de trabalho ideais.
Neste ponto que a eletrônica entra e faz toda diferença, primeiro através de um circuito regulador que deixará a tensão no valor ideal entre desempenho e durabilidade, sendo que com relação a durabilidade sabemos que a potência para mover o embolo é maior que a potência necessária para manter o embolo acionado, e ao diminuirmos o nível de potência após o acionamento a vida útil de uma bobina aumenta sensivelmente. Além disto, consegue-se através deste circuito aceitar qualquer tipo de entrada em um mesmo produto, seja com corrente alternada ou continua, e em toda faixa de tensão utilizada nas indústrias, e com isto acaba-se a necessidade de manter vários modelos de bobinas em estoque para as diferentes tensões aplicadas em uma indústria.

Figura 2: Exemplo de produto com este recurso
Com isto conseguimos otimizar desempenho, vida útil e até controle de estoque. Se desejar mais informações entre em contato com nossa Engenharia de Aplicações!