quarta-feira, 28 de novembro de 2018

Sense e Multiflow Industrial, uma longa parceria!

Veja o depoimento de nosso cliente José Carlos Ravassio, da empresa Multiflow de Ribeirão Preto. Ele fala sobre o apoio recebido pela Sense durante todo processo de aplicação do produto, neste caso com a ressalva de se tratar de área classificada onde há requisitos técnicos a serem atendidos, e a Sense procura fornecer toda assessoria necessária para que o projeto atenda todas necessidades do usuário!

Com este modelo de parceria, trabalhamos juntos há mais de 14 anos em um relacionamento muito saudável para ambas empresas!


quinta-feira, 22 de novembro de 2018

Sensor a Laser: Princípios Básicos

Os sensores diodo laser tornaram-se ao longo dos anos vitais na indústria e  nos processos de automação. Seu princípio de funcionamento se baseia na propagação da luz laser (emissão e recepção).

Devido as suas características específicas do laser que combinam as vantagens de alinhamento do feixe de luz concentrado e visível, alta velocidade de resposta e longas distâncias,  o sensor pode proporcionar soluções em diversos segmentos da indústria.

Os sensores com princípio a laser possuem tecnologia de alto desempenho e são capazes de detectar alvos independentemente de sua cor, material ou brilho de forma precisa e confiável, destacando-se em aplicações importantes como a detecção de quebra de fio em indústrias do segmento têxtil, onde  é fundamental para manter a qualidade e a produtividade.


Outras aplicações podem ser atendidas com sucesso, como contagem de equipamentos extremamente pequenos a grandes distâncias, monitoração de posição da borda na produção industrial, detecção de altura de objetos coloridos entre outras que exijam alto desempenho e precisão.



   APLICAÇÕES DO SENSOR A LASER




Com a grande gama de modelos e opções disponíveis, temos a certeza de que os sensores laser são a solução para suas aplicações, proporcionando qualidade e padronização dos processos e produtos. 




*  Texto de Enio Britto, Gerente de Vendas FA

terça-feira, 13 de novembro de 2018

Market Report: Oportunidades para a Indústria de Válvula no Segmento Biofármaco


Mark Witcher, ex-vice-presidente da Amgen (maior biofarmacêutica independente do mundo) escreveu um texto na revista eletrônica “Valve Word Americas” onde trata da evolução continuada da indústria de biofármacos e no final da cadeia a decisão sobre as válvulas a serem usadas. Ele acredita que a manufatura precisa de alta flexibilidade nas instalações, com a implementação do processo independente do layout de instalação e controle estratégico da operação. Veja o que ele fala...


O mercado com maior crescimento para a indústria de válvulas a nível mundial é o segmento de biofármaco que gerou receitas de mais de US $ 200 bilhões em 2017, e tem previsão de crescimento anual de mais de 10% para os próximos 5 anos, 40% deste total atualmente está nos EUA. O mercado das válvulas no segmento representa US$ 150 milhões/ano.

“Essas instalações terão que atender a uma ampla variedade de escala e capacidade para operação multiproduto. Provavelmente uma combinação de salas limpas e modulares será utilizada para pequenos processos tais como produtos de terapia celular individualizados e salas limpa maiores em sistemas modulares com layout de matriz multipropósito, onde as instalações altamente flexíveis são necessárias para lidar com uma ampla variedade de escala e capacidade de produção.
Esta próxima geração de instalações terá impacto no mercado de válvulas e conexões, permitindo uma diversificação de novos produtos em um grande número de instalações de menor escala com descartáveis e instalações de aço inoxidável para processos contínuos de alto rendimento. ”, afirma Witcher.

As válvulas desempenham um papel crítico nos processos, sendo que o design das válvulas deve permitir a limpeza e sanitização entre bateladas ou intervalos de manutenção. A maioria dos processos são tipo de batelada embora a água para limpeza (WFI water for injection) é gerada e armazenada em loops de recirculação que funcionam continuamente. A adequada limpeza (CIP clean in place) e sanitização por aquecimento (SIP steam in place) dependem da capacidade de drenagem dos sistemas e componentes.
Segundo ele, nos últimos 15 anos o mercado de válvulas evoluiu desde um tipo básico de duas vias padrão para o que engloba vários conjuntos usinadas a partir um único bloco de aço inoxidável.

Esses projetos personalizados reduzem bastante a área molhada e “dead legs” e tem se tornado um elemento-chave na concepção de sistemas de processo de biotecnologia. As válvulas diafragma de sede tipo radial frequentemente são utilizadas como válvulas de saída de tanque por causa de seu contorno que muitas vezes se torna mais próximo do contorno do vaso. Válvulas de diafragma asséptica são frequentemente utilizadas com monitores de posição para verificar o status da válvula (OPEN ou CLOSED) e se comunicar com o sistema de controle principal (DCS ou PLC). Falsas indicação de posição podem gerar alarmes que potencialmente interrompem o processo especialmente se os dispositivos monitorados são considerados “críticos”, conduzindo a custos e paradas não planejadas do processo.

Dada a crucial natureza dos processos de fabricação dos produtos farmacêuticos, a introdução de programas de manutenção preventiva e o uso de sensores inteligentes de posição de válvulas, bem como seus fabricantes de instrumentos devem desenvolver plataformas sólidas para instrumentos de monitoração de posição que sejam imunes a questões externas, tais como: ruído, temperatura, falha mecânica, vibração e alarmes falsos.

A monitoração da posição da válvula com a detecção contínua através de campo eletromagnético fornece um grau mais alto de precisão em comparação com todas as tecnologias convencionais de sensoriamento e elimina as falhas dispendiosas ao detectar precisamente a posição das válvulas, evitando falsos alarmes e paradas indesejadas como citado.

A linha Saunders/Sense VUE apresenta monitores com tecnologia de detecção contínua baseada na variação de campos magnético e eletromagnético, confiável e preciso na confirmação da posição da válvula diafragma enquanto oferece uma ampla variedade de diagnósticos para monitoramento contínuo e manutenção preventiva. 



Os benefícios da tecnologia de detecção eletromagnética contínua junto com os diagnósticos entregam inteligência à válvula diafragma que permite aos usuários extrair diagnósticos preventivos de uma válvula como nunca antes.

Como a indústria continua a evoluir, tecnologias como da Saunders/Sense na linha VUE permitirão aos fabricantes de produtos farmacêuticos melhorar consistentemente as eficiências e reduzir custos no processo, enquanto melhoram a qualidade de seus produtos.

Gostou deste artigo? Quer ler o completo? clique aqui


quarta-feira, 31 de outubro de 2018

Monitoramento da Temperatura em Esteiras



Em nosso artigo do blog publicado no dia 11 de outubro de 2018 (http://www.blog.sense.com.br/2018/10/seguranca-e-monitoramento-para.html)  escrevemos sobre esteiras transportadoras e a importância do monitoramento de segurança caso haja um desalinhamento desta.

Ali tratamos de  dispositivos de monitoramento que são instalados na parte da esteira em que o produto é carregado,chamada de cobertura superior da transportadora, que  mesmo quando instalados seguindo todas orientações do fabricante e normas, há um espaço entre o funcionamento considerado normal da esteira e o momento que este sensor é acionado detectando seu desalinhamento, e neste espaço ocorre um aumento de temperatura nos seus rolamentos podendo tornar um ponto de ignição espontânea.

O monitoramento por dispositivos on-off é muito utilizado e promove uma proteção, porém pode-se perceber que a partir do momento que inicia o processo de desalinhamento até a hora em que este sensor é acionado, há um desbalanceamento da esteira e por segurança deve-se monitorar as temperaturas de seus rolamentos, através de elementos de medição de temperatura.
O equipamento mais comum para esta medição são as termoresistências, dispositivos simples que através da alteração da resistência do bulbo montado internamente em um tubo metálico, vari a a temperatura de medição sendo monitorada utilizando um conversor e está interligado a uma barreira Exi (segurança Intrínseca).

Resultado de imagem para rolamento esteiras


A realidade nos traz dois sistemas de monitoramento para o mesmo problema: um on-off e outro através da medição da temperatura, há como avaliar  o melhor?
É preciso destacar que a primeira alternativa é realizada através do interruptor, detectando o desalinhamento da esteira, sendo a consequência, n caso o aquecimento,  o principal risco, ele pode, em última instância, ocasionar a explosão com a ignição espontânea.

Pode-se afirmar, portanto que a solução com medidores de temperatura possui a medição direta para o principal risco, e garante a segurança do sistema.
A maneira mais simples e segura de fazer este monitoramento em ambientes com poeira explosiva é utilizar barreiras de segurança intrínseca fora da área classificada protegida em um painel normal de mercado, ou dentro da área classificada protegida dentro de um painel Ex adequado. Esta solução permite que a instalação seja simples, e permite manutenção “a quente” dos termoelementos.

quinta-feira, 25 de outubro de 2018

SENSE e FMECAL - A importância das soluções


Veja o depoimento do Engenheiro Carlos Martins da F.Mecal ( Mecânica e Caldeira) uma empresa de equipamentos eletro-eletrônicos do setor sucroalcooleiro que fica em Sertaozinho no interior de São Paulo.


No vídeo, ele destaca pontos importantes dessa parceria que mostra a importância da solução.


Além do destaque dado na área de INOVAÇÃO da SENSE, sempre trazendo novidade acessíveis em produtos.Não deixe de assistir!


 

quinta-feira, 18 de outubro de 2018

Estudo e Aplicação da Rede Industrial IO-Link no Contexto da Indústria 4.0




As indústrias tem buscado cada dia mais se adequar a processos que são independentes do operador, e que, ao mesmo tempo, possuam maior eficiência, qualidade e segurança. Se observarmos as revoluções industriais pelas quais já passamos, sendo a última delas marcada pela utilização dos primeiros CLPs no chão de fábrica, é possível ver claramente que em cada uma delas o processo foi sendo adequado e otimizado para que seja cada vez mais independente e confiável.

A Indústria 4.0, nada mais é do que a quarta revolução industrial, tendo o mesmo propósito das últimas três revoluções pelas quais já passamos, que é de tornar um processo independente e inteligente, com o mínimo possível de intervenção do operador. Isso é possível através da coleta de dados e conectividade entre todas as partes envolvidas, ou seja, os setores internos da indústria, clientes e até mesmo terceiros, como fornecedores e prestadores de serviços.

A tecnologia IO-Link é uma grande aliada quando falamos de Indústria 4.0. Com essa tecnologia é possível realizar a coleta e armazenamento de dados de processo em tempo real através de cabeamentos já existentes nas instalações, sem que seja necessário toda uma reestruturação do processo, sendo ainda um fieldbus independente. Isso é possível pois com a utilização de um mestre IO-Link a rede pode ser conectada a diversos protocolos de comunicação, como por exemplo o PROFIBUS, PROFINET e EtherNet I/P.



Figura 1 - Arquitetura IO-Link.

O IO-Link permite também a parametrização e substituição dos dispositivos de forma simples, sendo capaz de baixar os parâmetros no dispositivos de substituição diretamente do controlador ou, mestre IO-Link, o que elimina a configuração manual realizada pelo operador a cada substituição.

A tecnologia IO-Link pode ser considerada como a “porta de entrada” para a Indústria 4.0, pois possibilita a coleta de dados em tempo real, além de permitir seu armazenamento e envio a níveis superiores da rede para tomadas de decisão. Com isso é possível desenvolver uma inteligência no processo, tendo como base as informações coletadas. Sua aplicação pode se dar tanto em máquinas de processo já existentes, sendo adequadas para essa coleta de dados com dispositivos IO-Link, quanto em pontos estratégicos da instalação, o que possibilita também a prevenção de falhas antes que o processo possa ser comprometido por alguma parada inesperada.

Pode-se ainda conectar vários dispositivos inteligentes na rede IO-Link em um único endereço com a utilização de “Hubs de sensores/atuadores configuráveis com IO-Link”. Dentre estes dispositivos inteligentes estão sensores indutivos, capacitivos, de pressão, de temperatura, óticos e ultrassônicos.

Caso haja interesse de conhecer de forma pouco mais detalhada sobre a tecnologia IO-Link, deixo disponível meu trabalho de conclusão de curso direcionado ao assunto. (clique para ler)

Autor: Humberto José Gonzaga

quinta-feira, 11 de outubro de 2018

Segurança e monitoramento para desalinhamento de esteiras: Área classificada


Um dos principais equipamentos para deslocamentos de produtos sólidos, as correias transportadoras; sem dúvida têm um papel fundamental seja em portos, em carregamentos de grãos para exportação ou em silos para estocagem.





Com as atuais expansões nestes sistemas de transporte por esteira, traz por outro lado, um aumento nas precauções a serem tomadas, certo? No sentido de que agora toda parte de monitoramento de esteira passou a ser muito importante, e grande parte destas aplicações possuem agravante de serem dentro de uma área classificada com risco de explosão. 

Quem nunca teve um problema com o desalinhamento da correia em determinado ponto do sistema? É possível, inclusive, quantificar esse prejuízo... horas paradas, e em alguns casos o rompimento da correia.

Alguns equipamentos podem ser utilizados para minimizar esse inconveniente, os famosos interruptores de falha do alinhamento.
Dispositivos simples, instalados ao longo do sistema de transporte utilizam uma alavanca alinhada a correia que ao menor deslocamento acionam um contato seco para alertar a operação dessa ocorrência.

Agora que primeiro problema foi resolvido e de certa forma, foi possível antecipar a ocorrência do desalinhamento, como instalar esse componente considerando que essa é uma  área classificada?
Isso porquê, atualmente processos em que partículas e sólidos em suspensão são compulsórios,  que é o caso das esteiras,  os equipamentos e dispositivos devem possuir proteção e certificações para instalações em área classificadas, as famosas zonas 20, 21 e 22. Mas esse é um tema de tal relevância que trarei em um artigo separado.

As fundamentais barreiras Exi (Segurança Intrínseca) são uma excelente opção para serem utilizadas, lembrando... uma das opções, existem outras,  que limitam a energia interligada aos dispositivos, neste caso o interruptor de desalinhamento. 

Tenha em mente todas essas informações quando for trabalhar as definições e características desse tipo de aplicação e projeto, pois é ia melhora do processo é feita  através dos equipamentos em Segurança Intrínseca (Exi) que você escolhe.

Autor: Cauê Monteiro

quinta-feira, 4 de outubro de 2018

Parceria SENSE e CITROTEC

Segue o vídeo com o depoimento de mais um cliente-parceiro: a Citrotec (http://www.citrotec.com.br/) de Araraquara, que fala muito sobre  relacionamentos entre empresas.

Vejam quais são, nas palavras da cliente Debora Trevolin, muitas das virtudes necessárias, para que uma empresa como a nossa se perpetue.


Com mais de 40 anos de mercado, a SENSE não conseguiria se fosse apenas uma fornecedora de produtos, e sim porquê tem entre seus grandes diferenciais: ENTENDER e ATENDER o mercado.


E isso fica muito explícito em um caso real. Com um de nossos produtos de grande sucesso comercial! Veja Abaixo:




Quer conhecer mais sobre nós? visite nosso site!

quinta-feira, 27 de setembro de 2018

Aplicação em Segurança Intrínseca dentro de área classificada: Barreira Zener ou com Isolação Galvânica?


A aplicação de equipamentos em instalações elétricas dentro de áreas potencialmente explosivas, seja por gás ou poeira combustível, tem várias especificações que devem ser seguidas, porém este artigo irá se restringir a escolha do tipo de aplicação de barreiras de segurança intrínseca.

É muito comum haver dúvidas na hora de escolher em aplicações com barreiras de segurança intrínseca entre os modelos chamados de barreira zener ou barreiras com isolação galvânica, iremos neste artigo mostrar de modo simples quais as diferenças entre elas para ajudar quem tenha algum caso similar.

Sempre que temos que realizar um projeto para uma área potencialmente explosiva, devemos levar em consideração uma série de fatores que são determinantes para a escolha do tipo de segurança a ser aplicada, tais como: mapa de risco da planta, custos de aquisição e instalação e manutenção.

Quando falamos de aplicação dentro de Zona 0 ou 20 (informação gerada pelo mapa de risco), a forma mais comum de proteção é em Segurança Intrínseca tipo A (indicada como “Ex ia”). 

Nela é utilizada uma barreira (localizada fisicamente em área segura ou devidamente protegida se instaladas dentro de zonas 1, 2, 21 ou 22) que tem a função de limitar a potência que vai para a área classificada, sendo que a potência que é “liberada” é insuficiente para causar uma explosão mesmo na ocorrência de um curto-circuito dentro da área classificada, e esta característica simplifica a instalação em campo dos instrumentos a serem protegidos pela barreira e a manutenção destes equipamentos.



Em Segurança Intrínseca existem dois tipos de barreira que são consolidados e amplamente utilizados, e iremos mostrar as principais diferenças entre estes modelos, para serem melhores aplicados e não colocar a planta em riscos por desconhecimento.

Na tabela a seguir podemos visualizar um comparativo levando em consideração fatores como custo e aplicação:


Características onde se concentra maior diferença entre elas:



Barreira Zener: A barreira zener é dependente de um aterramento integro de baixa impedância (1 Ω) para garantir a eficiência da proteção. A norma exige que a resistência medida em qualquer ponto da linha de terra do circuito de segurança intrínseca e o ponto de ligação dessa linha com o terra deve ser menor que 1 Ω, e também que a isolação de 500V entre o circuito de segurança intrínseca e o ponto (único) de terra, exceto no ponto de aterramento.

Não pode haver dois pontos de aterramento para evitar que, sendo de diferentes
impedâncias, possam gerar na ocorrência de altas correntes, diferenças de potenciais
perigosas ao sistema.








Barreira com isolador galvânico: A barreira com isolação galvânica possui um transformador, e mesmo que ocorram falhas na alimentação, regulador de tensão, fusível, oscilador ou outro componente, este transformador, chamado de infalível, não permite que a falha se propague.
Com relação ao sistema de aterramento, a isolação galvânica permite que os terras possam estar em diferentes potenciais, pois o Trafo separa os circuitos deixando um único ponto de aterramento para cada parte isolada, desta maneira, não haverá risco de ocorrer centelhamento da área classificada desde que a equipotencialidade seja menor que a tensão de isolação galvânica.




Figura 6: Isolação Galvânica por transformador

O objetivo deste artigo foi mostrar as diferenças na aplicação de cada um deste produto, para auxiliar projetistas e usuários a especificar a que melhor atenda aplicações especificas conforme características da planta, pois as duas soluções atendem todos os requisitos desde que respeitada suas características, e reforçando que sempre qualquer equipamento para aplicação dento de área Ex deve ser certificada com selo do INMETRO para utilização dentro do território brasileiro.



Fontes:ABNT NBR IEC 60079-11
ABNET NBR IEC 60079-25


Autoria:Victor Carlos Magno




quarta-feira, 19 de setembro de 2018

CASE - Grupo Process

Acompanhe o depoimento de um cliente nosso, o GRUPO PROCESS, sobre a importância dos SENSORES INDUTIVOS SENSE para o funcionamento de um dos produtos deles: um soprador de fuligem modelo retrátil. Veja a satisfação!!




terça-feira, 4 de setembro de 2018

Dicas para otimizar a segurança de sua rede AS-Interface na parte de alimentação


A rede ASI é um dos protocolos mais consolidados do mercado de automação, em especial para aplicações com monitoração e comando de válvulas, e uma excelente solução atual para integrar estes equipamentos a indústria 4.0, aqui iremos dar algumas dicas em pontos específicos do protocolo para aumentar a segurança da rede.




Figura: Topologia de uma rede AS-Interface



Figura: Topologia de uma rede AS-Interface


A rede AS-Interface usa como meio físico modulação por pulsos alternados (APM) com codificação Manchester, onde através de um único par de onde através de um único par de fios são alimentados os instrumentos e é realizada a comunicação digital modulada sobre esta
Portanto como alimentação e comunicação utilizam mesmo meio físico, podemos iniciar nossa analise junto ao circuito de alimentação da rede, que possui entre outras diferenças uma tensão de saída de 30,5 Vcc. 
A Sense, através de sua experiência com fontes de alimentação e rede ASI, desenvolveu uma fonte que pode trabalhar em redundância, como indicado na figura acima, para isso o circuito de acoplamento obrigatório em todo sistema de comunicação Manchester foi separado da fonte, tornando um conjunto modular e como indicado na nossa topologia, com 2 fontes e 2 acopladores alimentando os 2 segmentos da rede e com redundância de fonte, ou seja, utilizamos os mesmos equipamentos que são usados nas instalações convencionais mas com o ganho da redundância de fontes, aumentando o grau de confiabilidade da planta sem adicionar equipamentos.

A alimentação via fontes já garantimos, agora o importante é pensar neste cabo que percorre toda planta entre os diversos equipamentos, como exemplo referenciando a nossa figura acima temos:
Monitores de válvula: Acoplados a válvula, portanto temos que levar o cabo até todas válvulas, e pensar como proceder em situação como por exemplo uma manutenção da válvula;
Módulos de I/O: Geralmente os módulos são instalados em locais mais amigáveis que os monitores, mas dependendo da planta e filosofia de processo podem estar também em locais críticos.

Para proteger a alimentação contra curtos-circuitos, o ideal é utilizarmos “protetores de segmento”, principalmente nos trechos que percorrem caminhos ao lado de equipamentos industriais, como em nosso exemplo as válvulas.
Na figura acima podemos perceber que existe na topologia adotada um cabo principal que percorre a planta e através destes protetores criamos derivações onde utilizamos 1 ou 2 equipamentos por derivação, sendo que qualquer curto-circuito em qualquer uma destas derivações são isolados através deste protetor dos outros produtos da planta.

Em Profibus PA e/ou Foundation FieldBus, que também utilizam o princípio de alimentação e modulação de sinal no mesmo cabo, a utilização de protetores já é praxe comum de quase todos os projetos, e neste protocolo o comum é utilizar 1 equipamento por derivação, e já na rede ASI o comum é instalar 2 equipamentos por spur. Importante ressaltar, que embora utilizem princípio comuns, os protetores de Profibus PA/Foundation FieldBus e os de ASI não são intercambiáveis, por trabalharem em frequências diferentes e consequentemente utilizam componentes eletrônicos com diferentes dimensionamentos.
Portanto uma das premissas básicas é segmentar a alimentação, para que caso ocorra algum curto-circuito na rede, este derrube somente um segmento da rede, e não todos.

Considerações finais:
Pelo raciocínio mostrado, podemos comprovar que com nenhum ou pouco investimento, é possível incrementar fortemente o nível de segurança e confiabilidade de uma rede ASI.
A Sense possui uma equipe técnica pronta para atender e auxiliar todos seus parceiros no desenvolvimento de um projeto com melhor relação custo/benefício.

Definições:
Segmentos: Partes do circuito da rede separado por repetidores de comunicação
Trechos: Partes do circuito da rede pertencentes ao mesmo segmentos separados por equipamentos de conexão, podendo estes estarem internos a equipamentos fornecidos, como exemplo derivadores internos em monitores de válvula,

terça-feira, 10 de julho de 2018

Novo Circuito Integrado FCA 100 da Sense


O novo Circuito Integrado FCA100 foi desenvolvido conjuntamente entre a empresa Sense Eletrônica Ltda, situada no Vale da Eletrônica em Santa Rita do Sapucaí-Mg e a Universidade Federal de Itajubá – UNIFEI. Recebeu apoio financeiro do BNDES através do programa FUNTEC, exclusivamente para o desenvolvimento do  chip.  O projeto contou ainda com o apoio tecnológico da empresa Vivace Instruments Ltda, situada na cidade de Clavinhos-SP, que forneceu a codificação de toda a norma IEC 61158-2, necessária ao desenvolvimento deste Chip.

            A motivação para o desenvolvimento do FCA 100 por parte da Sense foi devido a necessidade de desenvolver um novo Posicionador Digital Eletropneumático, tecnologicamente mais evoluído do que os que existem no mercado, utilizando  os protocolos de comunicação Foudation Fieldbus e Profibus-PA. A Sense utilizou-se ainda dos benefícios da Lei de Informática para o desenvolvimento de alguns blocos funcionais específicos e também para a realização de ensaios de EMI/EMC no projeto do Posicionador.

O chip  FCA100 é um periférico fieldbus, de acordo com a IEC 61158-2 e que
suporta interfaces com CPUs e MCUs, satisfazendo as exigências de alta performance de equipamentos e dispositivos fieldbus.

Contém um codificador/decodificador Manchester,  assim como  funções de tempo crítico em hardware e facilita implementações do Physical e Data link layers para os protocolos  Foundation fieldbus H1 e Profibus-PA.

Possui as seguintes características básicas:

  • Em conformidade com a norma IEC 61158-2, camada física em 31,25 kbit/s
  • Tensão de operação de 2,7 a 3,6 V (ou 4,5 a 5,5 V)
  • Baixo consumo de corrente apropriado para dispositivos de campo (<1mA)
  • Interface flexível adequado para os mais diversos tipos de processadores
  • 1 canal I²C (Inter-Integrated Circuit) para comandos de programação, leitura e escrita e transferência de frames: taxa até 1 Mbits/s
  • Codificador/decodificador Manchester
  • Deteção e correção automática de polaridade
  • Deteção automática de FCS (Frame Check Sequence) na recepção
  • Geração de FCS na transmissão
  • Jabber timer de 4096 bit time
  • Número de preâmbulos configurável
  • Interrupções mascaráveis com múltiplas fontes
  • 03 timers 16 bits: 1 octeto, 1 ms e 1/32 ms para a temporização do Data Link layer
  • 512 bytes de SRAM interna como buffer de comunicação para transmissão, recepção
  • Sinais de controle, facilitando a interface com microprocessadores e controladores
  • Big & Little Endian configuráveis
  • Temperatura de operação:  -40 a 85

  • Clock de 1 a 8 MHz




  • Aplicação Típica


    O ASIC FCA100 foi projetado como controlador de comunicação fieldbus e essa é a sua aplicação típica:





    segunda-feira, 2 de julho de 2018

    Sense recertifica na ISO 9001:2015


    A Sense acaba de conseguir a renovação na certificação ISO 9001, agora temos a versão 9001:20015. Entenda um pouco mais o que isso significa para uma empresa como nós:

    “Há muito anos já temos a certificação ISO, mas a última versão era a de 2008, e desde lá vem oferecendo aos negócios mudanças radicais, e para garantir que a ISO 9001 continue a atender a comunidade de negócios e a manter a sua importância no mercado atual, ela foi completamente revisada em 2015, com mudanças que inovam o Sistema de Gestão da Qualidade, deixando a Organização com maior preparo e robustez para desempenhar sua atividades com extrema qualidade”, explica Sheyla Rangel do nosso Departamento de Qualidade.

    A Sense concluiu sua recertificação, neste mês de junho, mas isso é apenas o começo de um grande desafio pois sabemos que é preciso aperfeiçoar nossa gestão e fazer a máquina girar em função das diretivas apontadas nesta revisão.

    A ISO 9001 foi originalmente redigida tendo o cliente em mente e isto permanece sendo a prioridade da ISO 9001:2015. Nesta revisão as mudanças que se pode destacar e que com certeza foram focadas pela Sense:

     -A Qualidade e a Melhoria Contínua estão agora no centro da empresa;
     -A  gestão de qualidade está agora totalmente integrada e alinhada às estratégias de negócios da Sense. O que a torna uma ferramenta de gestão de negócios, visando o desempenho e leva real valor à administração da Sense;
     - Maior envolvimento no sistema de gestão pela  Equipe de Liderança, assegurando que a alta administração seja responsável pela eficácia do sistema e que a organização se torne motivada em relação a metas e objetivos estabelecidos em nosso plano estratégico;
     - A introdução da gestão de oportunidade e risco ao nosso sistema como um instrumento de governança e prevenção; visando  aumentar a eficiência de nossos processos e fornecendo uma visão completa da organização, suas ameaças, riscos e oportunidades.

    São muitas as mudanças requisitadas, o importante por hora é que fomos aprovados e que o Bureau Veritas evidenciou  na Sense as qualidades e processos para mantermos a empresa dentro da comunidade. A ISO 9001 oferece muitos benefícios à comunidade de negócios, e nos traz muita honra conseguirmos nos manter nessa certificação em sua última versão.

    ·        

    ·         *Com a colaboração de Sheyla Rangel, Departamento de Qualidade

    segunda-feira, 18 de junho de 2018

    Inatel oferece Curso EaD de Instalador Profibus

    O Inatel (www.inatel.com.br), parceiro da Sense em diferentes caminhadas, está com um novo curso em seu Programa de Extensão à Distância. O curso é de Instalador Profibus.

    Redes Industriais – Instalador Profibus

    A programação é a descrita abaixo:

    Módulo 1: Ambientação (Boas-vindas) / Introdução ao Profibus (5 horas)

    • Apresentação do curso;
    • Familiarização com o Ambiente Virtual de Aprendizagem;
    • História do protocolo Profibus.
    • Principais conceitos de redes industriais.
    • Endereçamento e a rede em operação.

    Módulo 2: Instalação e layout de redes (5 horas)

    • Tipos de interferência e técnicas para sua redução.
    • Padrão RS-485.
    • Estudo das formas de onda.
    • Montagem e teste de um cabo Profibus.
    • A rede vista como um todo.
    • Regras para instalação de elementos da rede.
    • Profibus PA e segurança intrínseca.
    • Regras de distanciamento de cabos.
    • Estudo de problemas de instalações.
    • Fibra óptica.
    * Programação sujeita a alterações.

    Muito requisitado, o curso é destinado a profissionais da área industrial, técnicos ou engenheiros, e a todos os interessados em conhecer melhor a parte física de uma rede Profibus.
    Se você tem interesse entre no site do Inatel e se informe mais. A Sense apoia os estudantes e os cursos do Inatel!

    terça-feira, 15 de maio de 2018

    Sense faz palestra no "IV Encontro de Iniciação Cientifica" da Fatec Itaquera

    Amanhã, dia 16/05/2018 (quarta-feira), a partir das 8 h 00 min, será realizado no Anfiteatro da Faculdade. o "IV Encontro de Iniciação Cientifica" e "II Encontro de Monitoria”  da Fatec Itaquera. A Sense participará do evento, com a palestra: “Demonstração Prática de Redes de Comunicação digital usadas nas industrias na área de automação” proferida pelo nosso Tecnólogo em Controle e Automação, Bruno Alencar.A palestra acontecerá a partir das 10.15hs. 


    quinta-feira, 22 de março de 2018

    Colaboradora SENSE tem artigo sobre novo produto (Transmissor de Temperatura) publicado em revista japonesa conceituada

    A colaboradora que publicou o texto é a Ana Carolina Patrício. Ela tem graduação em Tecnologia em Automação Industrial pelo Inatel. 

    Está conosco desde 2014 quando começou como estagiária e em 2017 foi contratada como Tecnóloga de Desenvolvimento. Ela integra a equipe de P,D&I atuando junto aos projetistas dando suporte ao desenvolvimento de novos produtos.

    O artigo publicado era seu trabalho de conclusão do curso e segundo ela: “ foiuma oportunidade que a Sense me proporcionou de consolidar todo meu conhecimento teórico participando do desenvolvimento do Transmissor de Temperatura. E a publicação é sempre uma gratificação, porque é um modo de ter seu trabalho reconhecido na área profissional e acadêmica. ... como era internacional veio com "um sabor de vitória" mesmo, porque essa revista é de nível de doutorado qualis B1, então ter um artigo de graduação aceito em uma revista desse nível foi bem realizador, pois abre uma porção de portas no meio acadêmico.


    Transmissor de Temperatura  (TTS501)


    Para nós da Sense é muito gratificante apresentar esse trabalho da Ana Carolina, primeiro por mostrarmos a qualidade da nossa equipe em suas atividades extra profissionais (no caso acadêmica), e claro por apresentar nosso desenvolvimento de DDL para aplicação no protocolo HART, mostra como a Sense cresceu no quesito desenvolvimento de produtos e pode se dizer que hoje somos detentores da tecnologia HART que no brasil ainda é bem difícil de se encontrar quem domine.

    Clique aqui e leia na íntegra o artigo (em inglês: DDL Development for Applications Based on HART Protocol página: 549) da Ana Carolina publicado na revista IJICIC - International Journal of Innovative Computing, Information and Control, sobre o desenvolvimento de DDL aplicado para protocolo HART que foi usado de base o Transmissor de Temperatura Sense.



    EXEMPLAR DA REVISTA 





    Leia e entenda mais sobre nossa novidade!

    quinta-feira, 15 de março de 2018

    Inauguração do Escritório do PMI no Sul de MG. Saiba Mais!

    Para quem não conhece, o PMI (Project Management Institute) é a maior associação sem fins lucrativos do mundo destinada à profissionais de Gerência de Projetos, com mais de meio milhão de associados e de profissionais certificados em 185 países.
     
    As empresas que desenvolvem projetos e os gerenciam, normalmente utilizam práticas recomendadas pelo PMI, seja pelo PMBOK, seja pelos seu guia de métodos ágeis.
    Eles ainda fornecem importantes certificações nesta área que são muito valorizadas pelas empresas, como a certificação PMP. Enfim, é uma associação muito conhecida nas áreas de engenharia e gestão.
     
    E estão estão chegando ao Sul de Minas, mais precisamente no nosso parceiro INATEL! Com a inauguração de um escritório que funcionará dentro do Inatel para atender a região e  para isso haverá um evento oficializando a estréia. 


    Infelizmente as inscrições já estão ENCERRADAS!




    * Colaborou com a matéria Camila Eleutério