Início/Contato

Sobre

Esse é o blog da Sense.

Nossa empresa quer interagir mais com você: cliente, fornecedor, representante, aluno, universidade, parceiro! Enfim todos os nossos stakeholders, que conhecem e querem estar a par do nosso mundo.

Para os que chegaram agora: essa é uma empresa de Automação Industrial, 100% nacional atuante nos segmentos de Automação de Manufatura e de Processo.

Estamos completando 40 anos de mercado, nossa fábrica se localiza em Santa Rita do Sapucaí - Minas Gerais, o escritório comercial está em São Paulo, e filiais em Campinas, Porto Alegre e Rio de Janeiro.

Temos representantes nas principais capitais, e trabalhamos com revendedoras especializadas em regiões estratégicas do país. Também exportamos para muitos países.

Em nosso blog você vai encontrar um pouco de tudo: cases de vendas, produtos, um pouco sobre o nosso mercado e negócios.

Esperamos a participação de todos: afinal é assim que se conversa!

quinta-feira, 9 de janeiro de 2014

PROTEÇÃO SEGMENTO EM REDE AS-interface


 
Muitos usuários de sistemas automatizados que tem aplicado algum tipo de rede industrial sofrem com desligamentos totais dessas redes, também chamados de quedas, sempre que ocorre um curto circuito em alguma derivação (SPUR).
Processos que demandam maior segurança ou estabilidade por parte da rede não podem admitir esses curtos, pois significa uma perda de produção muito grande.

Enxergando esta necessidade, a SENSE desenvolveu um Protetor de Segmento para rede As-i. Uma rede AS-i simples pode ter, dependendo da arquitetura usada, até 62 válvulas ON-OFF. No caso de uma queda, pode-se perder todas as leituras e comando destas válvulas ao mesmo tempo.

O Protetor de Segmento tem como principal função prevenir que curtos ocorridos nas derivações derrubem toda a rede, fazendo com que apenas o que está em curto seja isolado e todo o restante da rede permaneça funcionando normalmente.

Abaixo, o modelo de uma rede com derivadores passivos (sem proteção), seguido de uma rede com os Protetores de Segmento.


Observa-se que com a ocorrência do curto, todos os instrumentos ficam desligados, incluindo o mestre (Gateway), dificultando assim, a detecção do local exato onde ocorreu a queda.

Já na imagem acima, fica clara a visualização de qual está apenas em situação de curto, pois somente uma derivação está desligada e as outras continuam em funcionamento. Além disso, há uma indicação visual em cada protetor de segmento, facilitando a detecção do problema e reduzindo em mais de 90% o tempo de parada. 
texto: Victor Magno - Engenharia de Aplicações

Nenhum comentário:

Postar um comentário