quinta-feira, 30 de janeiro de 2014

POSICIONADORES SENSE - PFLEX

Com a aquisição da linha de produtos DMTECH, a Sense já começou a produção em sua unidade de Santa Rita do Sapucaí (MG), os posicionadores eletropneumáticos de dupla ação da linha Pflex, ou seja, conforme sua configuração pode ser utilizado como atuador pneumático, eletropneumático, ou ainda, como conversor eletropneumático (I/P) veja a imagem demonstrativa. 

           Além da flexibilidade, outra importante característica é a sua robustez mecânica com o acoplamento de regulador de pressão incorporado, ajuste de vazão de ar nas duas saídas independentes e filtros coalescentes. O conversor I/P tem como princípio de conversão a utilização do tradicional sistema bico palheta, conferindo facilidade de manutenção e excelente resistência à umidade para o caso de falhas nos sistemas de ar de instrumentação.

Lançamento: PFlex com protocolo Hart
Como complemento da linha, a Sense pretende lançar no primeiro semestre de 2014, o PFlex com protocolo de comunicação Hart, adicionando as facilidades de instalação do sensor de posição por efeito hall e também, de um produto microprocessado que disponibiliza recursos como auto set-up e curvas de caracterização, dentre outros.

Autor: Alvaro Nader - Engenharia de Aplicações

quinta-feira, 23 de janeiro de 2014

SENSOR DE PRESSÃO INDUSTRIAL EM MINIATURA NAT 8252

A parceria Sense / Trafag, traz ao Brasil o novo sensor de pressão industrial em miniatura NAT 8252.
Perfeitamente adequado em condições que exigem elevados picos de pressão, de temperaturas, choques e vibrações, os sensores de pressão NAT tem aplicação em vários segmentos como: óleo e gás, naval, hidráulico, energia eólica entre outros.

O coração do novo produto é um elemento sensor de película na em aço inox. Totalmente soldado, pode suportar o triplo da pressão de operão sem apresentar danos e garantem ainda mais a vedação total do equipamento evitando que impurezas penetrem no interior do invólucro, garantindo total proteção dos equipamentos internos.

 Para proteger o sensor contra cavitação e golpe hidráulico, um amortecedor está dispovel como opção.

Ele é resistente, estável e se manm preciso mesmo sob condições extremas.  Os  componentes  eletrônicos  são  baseados  no CIAE (circuito integrado de aplicação especíca) da Trafag, que alcançam a compensação de temperatura ideal e linearizão sobre a faixa de operação de 40 ... 125 ° C. Esta construção de qualidade permite o uso nas aplicações mais exigentes, incluindo as de ar livre.
 sensor    d pres industria  NA 8252    está prontamente disponível nas faixas de 0 ... 2,5 a 600 bar, conexão de pressão BSP 1/4", conexão elétrica padrão industrial M12 e sinal de 4 ... 20 mA.

Em breve mais oões irão complementar o portfólio.

quinta-feira, 16 de janeiro de 2014

SITE NOVO

Já está no ar o novo site SENSE.

Com layout reformulado, moderno, e interativo, apresenta os produtos divididos em Automação de Processos (PA) e Automação de Fábrica (FA).

Confira aqui

Os tutoriais à disposição mostram todas as novidades do site, para assistir isso basta autorizar os pop ups,
ou clicar no botão Tour News.

Quer deixar alguma sugestão? Escreva para  marketing@sense.com.br


quinta-feira, 9 de janeiro de 2014

PROTEÇÃO SEGMENTO EM REDE AS-interface


 
Muitos usuários de sistemas automatizados que tem aplicado algum tipo de rede industrial sofrem com desligamentos totais dessas redes, também chamados de quedas, sempre que ocorre um curto circuito em alguma derivação (SPUR).
Processos que demandam maior segurança ou estabilidade por parte da rede não podem admitir esses curtos, pois significa uma perda de produção muito grande.

Enxergando esta necessidade, a SENSE desenvolveu um Protetor de Segmento para rede As-i. Uma rede AS-i simples pode ter, dependendo da arquitetura usada, até 62 válvulas ON-OFF. No caso de uma queda, pode-se perder todas as leituras e comando destas válvulas ao mesmo tempo.

O Protetor de Segmento tem como principal função prevenir que curtos ocorridos nas derivações derrubem toda a rede, fazendo com que apenas o que está em curto seja isolado e todo o restante da rede permaneça funcionando normalmente.

Abaixo, o modelo de uma rede com derivadores passivos (sem proteção), seguido de uma rede com os Protetores de Segmento.


Observa-se que com a ocorrência do curto, todos os instrumentos ficam desligados, incluindo o mestre (Gateway), dificultando assim, a detecção do local exato onde ocorreu a queda.

Já na imagem acima, fica clara a visualização de qual está apenas em situação de curto, pois somente uma derivação está desligada e as outras continuam em funcionamento. Além disso, há uma indicação visual em cada protetor de segmento, facilitando a detecção do problema e reduzindo em mais de 90% o tempo de parada. 
texto: Victor Magno - Engenharia de Aplicações